segunda-feira, 29 de maio de 2017

Linhas

Escrevo.
Deveria escrever mais.
Tenho tanto pra contar e tão pouco tempo pra digitar.
Ando digitando mais do que escrevendo.
Escrevo porque escrever faz mais sentido pra mim, me expresso melhor, me sinto confortável escrevendo. 
É mais fácil falar com os dedos. 
Tem mais significado.
Se amo, escrevo.
Se me sinto triste, escrevo. 
Se quero compartilhar alegria, escrevo.
Se fico indignada, escrevo também!
Mas não falo.
As pessoas entendem o que elas querem das palavras faladas, mas não das escritas, pra mim, elas tem significado exato e são carregadas de sentimento.
Falo a torto e a direito o quanto eu amo as pessoas, e amo mesmo, mas se por um acaso, eu escrever pra você o quanto te amo, eu te amo de coração. Vale para o contrário também.
Eu poderia escrever um livro, um conto, uma novela, um e-mail, uma carta, um bilhete.
Poderia escrever em maiúsculo, minúsculo, com letra cursiva ou bastão.
Poderia só escrever.
Poderia viver escrevendo.
Poderia ser escritora. 
Deveria escrever mais.
Escrevo!

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Sobre onde você está e quem te levou até aí

Eu tenho meus dois pezinhos bem fincados no chão, sei bem, na maioria das vezes, usar a razão ao invés do coração. Sei que a pessoas são como elas são e como eu sou. O que estou querendo dizer com isso é que é difícil me tirar da realidade ou fazer eu ficar esperando algo de alguém.

É claro que eu já fiquei, não uma ou duas vezes, projetando o que eu queria em algo ou em alguma pessoa e as coisas não saíram da forma que eu estava idealizando. Não só pra relacionamento, mas pra vida de um modo geral. 

Acredito que as pessoas estão exatamente onde elas se encaminharam, não aceito projetar em outro alguém uma responsabilidade tão grande quanto essa, de resolver a minha vida. Se alguém me diz que determinada coisa da vida dela aconteceu por causa de uma pessoa ou outra, eu balanço a cabeça, mas lá dentro estou pensando que deveria ter algum outro jeito e a pessoa não viu. Até comigo mesmo, o famoso passou despercebido ou eu fingi que não vi.

A gente tem todo o poder de escolha sobre as nossas vidas, das mais simples as mais complexas. Daquelas que se resolvem em um hora, até aquelas que levam um ano, dois, três...

Está num emprego ruim que te paga mal? Procura outro e troca. O relacionamento está empacado e você sabe que não vai sair daquela situação tão cedo? Já tentou concertar de todas as formas e nada? Termina! Ou para de reclamar e tenta concertar de novo. Só não vale ficar mentindo pra si mesmo e pra outra pessoa, por tabela. Não está feliz com o curso escolhido na faculdade. Troca e vai fazer o que você sempre desejou.

Eu sei que é mais fácil escrever do que por a ação em prática, mas já pensou no tanto de oportunidade perdida por causa do medo? Ou porque foi deixada pra amanhã?

Vai doer, vai ficar esquisito, vai até parecer que não deu certo (e se não deu, já sabe...), mas uma hora vai encaixar, funcionar e até ficar muito bom. Acredite. E também sempre vai surgir outra oportunidade e eu poderia dizer que com o tempo vai ficar mais fácil tomar uma decisão, mas não vai. Sempre será complicado e confuso.

No fim das contas, eu prefiro saber que dei alguns passos pra frente, mesmo que lentos, demorados e duvidosos a ficar anos e anos parada, e conformada, no mesmo lugar.


Meus Três Perfis Favoritos no Instagram

Instagram é uma das redes sociais que eu mais gosto, mesmo agora que anda se puxando para os lados do Snapchat, amo as fotos, os efeitos e passar um tempão pesquisando as #, minhas preferidas são #books, #travel e #food

Sabe aquelas fotos bem tiradas com tudo que a gente gosta e estão sempre um charme? Separei três perfis em  que eu sempre encontro tudo isso.

@chatadegalocha

Já falei da Lu  A Q U I  antes. Ela é uma das minhas blogueiras favoritas, já sigo a muitos anos, ela tem um excelente gosto pra tudo e as fotos são sempre muito bonitas e bem tiradas. Amo os looks, todos. :)


@brunavieira

Bruna Vieira é dona do Depois dos Quinze e tem duas características que eu amo: escritora e viajante. Seus livros e textos são excelentes, aquela leitura que flui gostosa e interessante e agora ela está fora do Brasil fazendo intercâmbio. Cada vídeo, foto ou texto é um sonho e serve muito de inspiração pra mim.


@melinwonderland

Associo a Mel a dicas muito boas de livros e o feed mais bonito do meu aplicativo. Cada foto, a maioria tirada no quarto dela, é perfeita. Sem contar que ela é dona de uma estante dos sonhos. Já li muitos livros indicados por ela, tanto no blog quanto no canal do Youtube.


Ah, é claro que tem meu perfil também @EuGaabbi, que eu gosto muito kkkkk


*Todas as fotos foram tiradas de seus respectivos perfis




quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Os Homens que não Amavam as Mulheres - Stieg Larsson


Harriet Vanger, desaparece sem deixar vestígios, durante um acidente na ilha em que morava, no ano de 1966. Aproximadamente quarenta anos depois, Henrik Vanger, o patriarca da família e do império de industrias Vanger, ainda acredita que a morte é suspeita, e que mesmo com as investigações encerradas e inconclusivas, a moça tenha sido assassinada por alguém da família. Então, ele contrata, em um perfeito momento da vida, o jornalista Mikael Blomkvist, para revisar toda a investigação. E com a ajuda de Lisbeth Salander, eles descobrem muito mais do que podiam imaginar.

Pensa em uma leitura que demorou para engatar. Comecei e abandonei esse livros apenas três vezes, sei lá, a leitura não fluía ou me prendia de nenhuma forma. Comecei a ler novamente  no fim do ano passado e fui carregando cinco ou seis paginas por dia. Um suplício, mas não desisti. A história só foi ficar mais interessante lá pela página 250.
Mas quando engrenou, ficou bom de verdade. O desenrolar e a finalização do texto me deixaram de boca aberta. O livro, envolvendo um assassinato misterioso, não teve um final óbvio, como geralmente acontece e até a revelação eu não tinha ideia de quem era o responsável.
Vale acrescentar também que o livro não é para qualquer leitor, temas como estupro, incesto e crimes sexuais são abertamente discutidos é muito importantes para a evolução da história.
Apesar dos pesares, a primeira leitura de 2017 foi excelente e me agradou muito. Vale a pena se esforçar no começo.